Radio Amalia 92.0

  • Radios Online| en vivo

Radio Amalia 92.0 Radio

Radio Amalia, Radio Radio Amalia ouvir rádios online grátis Portugal


Adicione ao seu site.

Trinta e nove libras.” Ele disse: “Pode desenhar um emblema que seja relevante para a equipe da Nova Zelândia?” Ele se orgulhava das origens e da Nova Zelândia. Certo, um kiwi, carro de corrida, nome da equipe, emblema. Equipe de automobilismo de Bruce McLaren. NOVA ZELÂNDIA, GRANDE PRÊMIO DE PUKEKOHE A McLaren Motor Racing de Bruce foi formada para correr na Nova Zelândia. Na oficina da Cooper na Inglaterra, Bruce e eu construímos um carro especialmente para vencer o Grande Prêmio da Nova Zelândia. Na verdade, era um carro McLaren, mas como ele ainda estava contratado e pilotava pela Cooper, por isso fazia sentido chamar-se Cooper. Mas, na verdade, era do Bruce. A Cooper copiou nosso carro e construiu um segundo carro para Timmy Mayer. Timmy Mayer era um jovem piloto americano colega de equipe de Bruce, e, até certo ponto, um protegido. Timmy era um jovem muito acessível. Tinha se saído bem na Inglaterra na Fórmula Júnior. O irmão, Teddy, era o chefe da equipe. Era o Grande Prêmio da Nova Zelândia. Era por isso que estávamos lá. E saem os pilotos a alta velocidade na viagem de alta velocidade a km/h. Foi volta atrás de volta com os dedos cruzados. E vencer num carro que Bruce e eu projetamos e construímos era fantástico. Todos se abraçavam, tinha sido um grande esforço. LONGFORD, TASMÂNIA, AUSTRÁLIA DE FEVEREIRO DE Mas, como se aprende no automobilismo, existem muitos altos e baixos. CORRIDAS BRUCE McLAREN No treino em Longford, na última corrida da série, Timmy falou com Bruce sobre uma elevação na pista antes de uma curva, porque Timmy achava que estava freando antes e poderia frear depois. E Bruce disse: “Sim, pode frear depois, mas com muito cuidado.” Timmy nunca mais voltou da pista. O veículo bateu de lado em uma árvore. O carro se partiu em dois atrás do cockpit, e ele morreu na hora. Foi a nossa primeira tragédia. Foi a primeira vez que aconteceu com alguém tão próximo. Quando você fala com alguém minutos antes, e depois ele não está mais presente, isso o afeta profundamente. Mas havia uma corrida no dia seguinte. A equipe foi, e corremos no dia seguinte. Falaram sobre Bruce não participar, mas decidiram que deveríamos continuar. É o nosso negócio, é o que fazemos. No funeral de Timmy, o discurso de Bruce se tornou o mantra da equipe. A notícia de que ele morreu instantaneamente foi um choque para nós. DISCURSO PARA TIMMY MAYER Mas quem diz que ele não viu mais, não fez mais, e aprendeu mais em anos do que muitas pessoas durante a vida toda? Fazer algo bem vale tanto a pena que morrer tentando fazer melhor não pode ser imprudência. Seria um desperdício de vida não fazer nada com nossas habilidades. Para mim, a vida se mede por conquistas, não só em anos. LONDRES, INGLATERRA, Depois do final da série da Tasmânia, voltamos para a Inglaterra sem saber ao certo o que o futuro nos reservava. Eoin Young ligou e disse: “Bruce veio e quer falar com você.” Bruce atendeu e disse: “A equipe vai crescer, quer trabalhar para mim?” Ele queria contratar mais neozelandeses. “Sim, por favor. Muito obrigado. Eu farei isso.” Os mecânicos neozelandeses eram muito inovadores. Eles aprenderam a fazer carros no nosso país, onde era muito difícil conseguir peças. Então eles faziam componentes novos. Existe um ditado antigo: “Se der a um neozelandês um pedaço de arame, ele fará qualquer coisa.” Ele gostava dessa atitude, porque era como ele era. Bruce McLaren agora tinha uma equipe, mas não tinha oficina. Nosso reboque tinha um trailer velho e enferrujado. E mandaram Eoin Young tentar encontrar com urgência uma oficina. Em retrospecto, era horrível. Era muito pequena, mas servia perfeitamente para a equipe. O que ele conseguiu foi um canto de uma garagem industrial usada para máquinas de terraplenagem. O chão era de terra. Provavelmente já tinha sido de concreto, mas com todas as escavadeiras passando por lá, rachou. A Bruce McLaren Motor Racing na Inglaterra começou em um galpão sujo. Isso deve dar. Dinheiro. Para ter equipe, precisa ter dinheiro. EQUIPE LOTUS Mecânicos, pilotos, transportes. Bruce competia contra a Lotus, a Maserati e, claro, a Cooper e a Ferrari. Ele tinha pagamentos toda semana. Pediram a Bruce que dirigisse um carro esportivo americano como piloto de testes. Ford usava muito Bruce, gostava da capacidade técnica dele. Com o conhecimento em engenharia, Bruce podia dirigir o carro e dizer aos engenheiros o que estava acontecendo. Bruce precisava do dinheiro da Ford. Não havia dinheiro da Fórmula . A equipe McLaren estava sendo financiada fazendo testes, e fazíamos entre a km por dia. Na época, não havia muito dinheiro. Fizeram testes de pneus para a Firestone, rendeu um bom dinheiro. Foi uma experiência maravilhosa. Conhecia Bruce muito bem na época que comecei a trabalhar para ele. Todos eles tinham menos de anos, estavam cheios de entusiasmo, eram inovadores e inteligentes. Falávamos a língua dele, tínhamos o mesmo senso de humor, e éramos dedicados a ele. Ele trabalhava conosco, não ficava lá parado dando ordens. Ele arregaçava as mangas. Agora acho que carros, como os grandes carros GT, que dirigimos em Le Mans, Nürburgring e tal, fazem kmlh e aceleram muito, giram os pneus, não dá para ir a toda o tempo todo, e isso é mais divertido. Bruce decidiu que as corridas de carro podiam ser a solução para a jovem equipe McLaren. Soube que estava á venda na América um carro chamado Zerex Special. Teddy Mayer estava de volta na América arrasado por causa da morte do irmão, Timmy. E Bruce disse: “Quer comprar para mim este carro e vir para a Inglaterra?” Desmontamos o chassi. Colocamos um motor de Oldsmobile. Grandes tubos de escape verticais, parecia algo de Marte. Levamos de avião para o Canadá e vencemos em Mosport. Bruce McLaren de Auckland, Nova Zelândia, consegue a bandeirada. Nós, na Europa, competíamos quase de graça, para irmos aos EUA e vemos o dinheiro que existia foi arrasador. Com essa nova equipe, Bruce precisava de gerenciamento. E o jeito mecânico de tirar as porcas? Com as pistolas pneumáticas. Não seria má ideia. Teddy Mayer era advogado. Ele se tornou o cérebro da operação. Ele deu uma olhada na oficina e disse:

  • radios

Radio Online Portugal