Alvor FM 90.1

  • Radios Online| en vivo

Alvor FM 90.1 Radio

Alvor FM, Radio Alvor FM ouvir rádios online grátis Portugal


Adicione ao seu site.

A equipe se manteve firme, como sempre. Mas, com aquele motor, não tem jeito. Foi um golpe duro. Tenho sentido algumas dores. Só uma pergunta, Bruce. O médico perguntou se eu tenho dores de cabeça. Respondi que sim. Pode ser pela curvatura na coluna. Devido á pélvis não ficar reta quando estou em pé. Sua perna esquerda é menor do que a direita. Para uma solução permanente, podemos fazer uma cirurgia radical, em que substituiremos a cabeça do fêmur por uma de aço. Ele me mandou um raio-X e, quando vi, fiquei meio chocado. A direita estava ótima, mas a esquerda estava péssima. Ele disse que é normal depois da doença de Perthes, mas me chocou um pouco. A perna curta, a dor que causava, era um grande problema para ele. Nunca falaram sobre isso, nunca foi da conta dos outros, mas era a realidade dele. Bruce precisava de um ânimo. Aqui é Le Mans, lar da mais famosa corrida do mundo. Através do contato com Ford, Bruce foi contratado para pilotar em Le Mans. McLaren foi incumbida pela Ford de construir uma versão especial do GT. Conheci Bruce em . Testávamos e desenvolvíamos para Ford. Brincávamos, porque ele mancava um pouco, e precisava do pedal da embreagem mais próximo. E eu disse: “Quer saber? Toda hora bato minha perna naquilo.” Eram coisas idiotas, mas é o que os amigos fazem. Com Bruce, eu estava em boas mãos. Queria aprender o máximo, porque Bruce era um artista. Adorava o jeito que ele rodava o carro, e a elegância disso. A capacidade de extrair tudo o que a máquina tinha. Uma máquina que Radios pode te ferir. Ele pegou o GT de um veículo que era perigoso a kmlh, e pôs em um carro que fazia kmlh, facilmente. Bruce contribuiu muito com a experiência, e os Fords dominavam na época. Le Mans era o grande objetivo. Henry Ford decidiu que queria vencer a qualquer custo. Não tinha limite de orçamento, como tínhamos na Fórmula . Bruce e eu éramos pilotos da Ford. Acho que se tornou natural colocar os dois neozelandeses juntos. Ter uma chance de vencer a Le Mans era incrível. A corrida sempre começava ás h e acabava ás h do dia seguinte. Bruce começou a corrida, correu pela pista, uma perna menor do que a outra. Naquela época, não tinha como pilotar aqueles carros por horas. Mas Bruce disse: “Não temos nada a perder. Vamos dar tudo de nós.” E foi o que fizemos. Ele dirigiu com tudo. Os faróis iluminam as propagandas, enquanto a longa noite solitária de resistência continua. Quando amanheceu no domingo, os Fords estavam em ótimas posições. Em primeiro lugar, número dois, Ford. Em segundo lugar, número um, Ford.. Em terceiro lugar, número cinco, Ford. Ford tinha os três primeiros lugares e decidiu empatar. Quando deram a ordem de diminuir, eu me lembro que Bruce ficou irritado. Bruce fez um último esforço. Nunca saberei se Bruce pisou fundo ou se Ken Miles diminuiu, mas Bruce cruzou a linha claramente na frente. De repente, estávamos no pódio com Henry Ford, e tínhamos vencido uma das corridas mais famosas que existe. Vencemos Le Mans. Anos antes, Ford já tinha a necessidade. De criar um novo tipo De cavalo de quatro rodas. Um carro que se destacasse dos demais. Um carro nascido para a fama. O Ford Mustang As pessoas tinham um Ford, e Bruce pilotava um Ford. Eles diziam: “McLaren, é aquele cara que venceu a Le Mans.” lmpressionava muita gente. Mustang ! Foi uma ótima publicidade. Toda a operação de Bruce na época estava voltada para a série Can-Am. Can-Am é a Canadian-American Challenge Cup. Nessa série não havia limite para o motor, nem para quase nada, então as pessoas podiam inovar nos seus carros. Aqui é Mosport. E eu sou Bruce McLaren. Qual foi sua maior oportunidade? A criação da série Can-Am foi muito boa para nós. Quando começávamos a nos concentrar nas corridas de carros esportivos, elas se tornaram populares nos EUA. Comecei como modelo promocional, com bandeiradas e pulos. Ouvia os motores e pensava: “Nossa.” Eu ia para todo lado com a câmera, ia ao desfile dos pilotos, e eles acenavam para mim quando passavam. Era como uma família. Conheci Bruce, e nos tornamos amigos. Adorava como ele dizia: “Ela terá razão, amigo.” Bruce tinha uma boa equipe, e sempre tentava conseguir dinheiro suficiente para gastar e se manter no auge dos desenvolvimentos do automobilismo. O domínio de design de McLaren era claro. Treze dos modelos aerodinâmicos dele estavam na corrida. McLaren era a classe da pista. Eu tinha muita inveja. Queria tanto pilotar um daqueles carros. A marca McLaren, os carros, eles me atraíam. Era macio e bonito. Me inspirou. McLaren faz com que chegar a km/h pareça fácil. Conheci o Lothar, e ele pilotou um Cobra por um tempo. Mas quando ele viu o McLaren Radios Vendi o Cobra. Vendi minha casa. Comprei o McLaren. Bruce McLaren era muito importante para mim, e o que ele começou com a equipe da McLaren era fantástico. Foram anos incríveis da minha vida. Mas me abordaram para conhecer o Sr. Ferrari. Bruce ficou decepcionado, porque acho que ele estava pensando em parar de competir e só administrar a equipe. Bruce, está ocupado com a construção e o gerenciamento. Pretende deixar as corridas e se dedicar sete dias por semana á construção e á gestão? Ainda não. Imagino que daqui a alguns anos, eu faça isso. Mas, neste momento, ainda preciso pilotar. Em , passamos três meses construindo carros da Can-Am para irmos aos EUA. Foi tudo o que fizemos. Era uma loucura. Precisávamos vencer para ganhar o prêmio em dinheiro e fazer nosso carro de Fórmula . Não sei como aguentaram todos aqueles anos. Teddy deve ter investido muito dinheiro no começo. O fracasso da Fórmula atingiu em cheio o bolso de Teddy. Para os patrocinadores continuarem conosco eles precisavam de um motivo. A equipe McLaren construiu um carro Can-Am completamente diferente em , o MA. O novo colega de equipe de Bruce, o amigo neozelandês Denis Hulme. De onde tira a velocidade extra? Diria que, com nosso carro, a aceleração vem da saída das curvas. Não espera problema para a corrida? Sempre pode haver problema, mas espero que não. MOSPORT, CANADÁ CORRIDA CAN-AM, A corrida em Mosport ia começar. Bruce disse: “Temos um problema.” O neozelandês Bruce McLaren, que ficou em segundo lugar, não está no grid.

  • radios

Radio Online Portugal